HIPERBREVES

ADEUS

Escrito por Carla Dias
Tranca a porta, deixando o mundo do lado de fora. Seu desejo é claro, ainda que dissonante: estar só no momento da partida. A predileção pelo “vou indo, antes que queiram que eu parta” ele aplicou a todos os aspectos de sua vida. Por isso mesmo as pessoas o acham apropriadamente interessante e inefavelmente sábio. É que não é de dar espaço para que decidam por ele sobre suas chegadas e suas partidas. Consegue perceber, sem esforço, por quanto tempo, por que e onde é bem-vindo. Não impõe sua presença. Não há mistério nele, apenas lonjuras emocionais. Agora, quando se serve de uma dose tripla de uísque – batizado com seu tíquete de saída -, sentado de frente para o mundo de janela escancarada, quando seu coração acelera no ritmo de desfecho de biografia, ah, que ele não deixaria por menos. Fecha os olhos e parte por escolha, que não é homem de deixar para os outros, nem mesmo para o destino, a função de assinar a carta de derradeira despedida.
| Carla Dias | 

Metamorphosis of Narcissus
© Salvador Dalí
Últimos posts por Carla Dias (exibir todos)

Carla Dias

Autora de "Estopim", "As Asas da Borboleta", "Jardim de Agnes", "Os Estranhos" e "Azul", além de participação com contos e crônicas em mais quatro coletâneas - entre elas, "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde ainda escreve às quartas-feiras. Trabalha como Produtora de Eventos junto à baterista Vera Figueiredo [IBVF Produções]. Vive em São Paulo.