HIPERBREVES

ALFABETIZAÇÃO

Tem cinco anos e começa a ser alfabetizada. Nos afazeres da casa, a mãe não percebe o silêncio – que é o alerta, em se tratando de crianças, que algo está errado. Quando se dá conta, o susto é tanto que as palavras estancam: na parede branca em frente à escada, está lá, em caligrafia caprichada e com múltiplas cores, o alfabeto inteiro, de A a Z. Ela se senta no degrau ante ao desolamento contraditório que a toma: a íntima alegria de ver que a filha, tão pequena, já sabe escrever, se sobrepõe à visão do inevitável mau humor do marido, mais prático que lúdico, ao se deparar com o bê-á-bá em pessoa e arte decorativa no hall de entrada. A menina a olha, inquieta, sem saber se o olhar que recebe de volta é de bronca ou aprovação. E a mãe, dispensando as letras, ainda que sob pena de um entrave conjugal, sorri feliz, abrindo os braços para a cumplicidade e o abraço.
Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.