HIPERBREVES

AMANTES

Escrito por Catharina Melo
À meia luz, na cama desforrada, tudo que ocorria em volta se passava despercebido. O foco eram apenas eles dois, atracados como dois animais no cio. O ritmo intenso estimulava a marca nas costas e os puxões de cabelo, enquanto que os sussurros dela se tornaram gritos, e os gemidos dele, urros. Parecia a primeira noite de amor. Os corpos suados, numa engrenagem que não parava, aceleravam o passo embusca de um prazer ainda mais intenso, uma união ainda maior. Se fosse possível, eles morreriam ali – de prazer. O mais marcante, além de unhas afiadas nas costas e mãos fortes apertando a bunda, era o olhar: os dois não paravam de se olhar, como se quisessem fazer de dois corpos apenas um. O vizinho gritava, o celular tocava, batiam à porta – nada se ouvia. Naquele quarto, naquela cama, naquele dia, todo ruído se restringia a sons involuntários que retratavam orgasmos sem fim.
| Catharina Melo |
Últimos posts por Catharina Melo (exibir todos)

Catharina Melo

Formada em Administração de Empresas. Entre tatuagens e rocks mais antigos, descobriu uma grande paixão pela escrita. Sua produção está mais voltada para poesias e pequenas crônicas com temáticas políticas e devaneios amorosos. A internet foi o mundo da publicação, ganhou visibilidade com o texto "Imagina que louco", extremamente compartilhado na época das passeatas de 2013. Vive em Portugal, com o marido e o primeiro filho; o coração está em Fortaleza.