HIPERBREVES

AO DEUS-DARÁ

Escrito por Carla Dias
Filho de não sabe quem. Parido ao deus-dará. O parido ao deus-dará cai no mundo de cara, ele sabe. Escutou avó de alguém dizer que filho de ninguém tem a vantagem de não dever benção a quem seja. Beijou-lhe a mão, naquele dia. Aguaram-se os olhos da mulher, que andava carente de afeto. Ele acredita em bênçãos. Mesmo cometendo seus pecados, é adepto do afeto. Acredita no sonho que teve quando moleque. Sendo assim, aguarda o anjo que entrará em sua vida para mudar desfecho. Assiste tevê na casa do amigo. O amigo cai no sono, mas ele não. Durante o filme, o anjo vem. É profundo o desapontamento ao perceber que o desfecho que o anjo traz não é para ele, mas para o filme. Mesmo assim, acha o anjo mais lindo do que no seu sonho. Na sua figura cabem o desejo dele de sobreviver à própria sina e o medo de que isso não aconteça. Agridoce. Ele sorri de mostrar os dentes. Porque quem vem ao mundo ao deus-dará, não abre mão de celebrar milagre, mesmo quando o milagre não lhe pertence. 

| Carla Dias | 

© Cena do filme “Tão Longe, tão perto”,
de Wim Wenders
Últimos posts por Carla Dias (exibir todos)

Carla Dias

Autora de "Estopim", "As Asas da Borboleta", "Jardim de Agnes", "Os Estranhos" e "Azul", além de participação com contos e crônicas em mais quatro coletâneas - entre elas, "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde ainda escreve às quartas-feiras. Trabalha como Produtora de Eventos junto à baterista Vera Figueiredo [IBVF Produções]. Vive em São Paulo.