HIPERBREVES

BECAUSE I LOVE YOU TOO MUCH BABY

Escrito por Carla Dias
Gosta do gostar dela por essa *música. Toda vez que é tocada no rádio, ou quando ela a escuta na sua vitrola, herança do avô, a moça dança pela sala de um jeito que fisga o seu olhar. Ele se sente, imediata e irremediavelmente, abençoado por poder estar ali, porque o que se segue, sempre é de beleza indescritível. Não há coreografia definida nessa dança, apenas o movimento do corpo ao gosto do que a música provoca em sua alma no momento. Confessou a ele, pouco antes de mergulhar no som e na dança, que já sofreu e sentiu prazer escutando essa música. Que em todas as vezes que decidiu acreditar que a canção fora composta em sua homenagem, também acreditou, ainda que por uma fração de segundo, que podia morar nela, ajeitando-lhe o sentido, de acordo com o sentimento. Mas o que realmente o fascina, é quando, logo após o fim da música, ela cantarola para ele, a meia voz: “because I love you too much baby”. 


* Suspicious Minds, composta por Mike James e eternizada na voz de Elvis Presley.

| Carla Dias | 

 © Salvador Dalí 
Últimos posts por Carla Dias (exibir todos)

Carla Dias

Autora de "Estopim", "As Asas da Borboleta", "Jardim de Agnes", "Os Estranhos" e "Azul", além de participação com contos e crônicas em mais quatro coletâneas - entre elas, "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde ainda escreve às quartas-feiras. Trabalha como Produtora de Eventos junto à baterista Vera Figueiredo [IBVF Produções]. Vive em São Paulo.