HIPERBREVES

CARTOMANTE

A cartomante falou de um homem claro, pouco mais jovem que ela, que traria nova luz aos dias pesados e solitários. O rosto da médica se iluminou, já o conhecia: ele era dois anos mais jovem e trabalhavam juntos no Hospital. A cartomante a interrompeu com um gesto leve, declarando que o homem em questão não era médico. Os olhos dela se estreitaram, desapontados e furiosos. Longo silêncio se fez na enorme sala, antes que a médica estendesse o pagamento. A cartomante recolheu o baralho, apagou a vela e levantou-se. “- Não é esse homem”- profetizou, e ouviu a porta bater-se com força às suas costas. Muitos dias depois, após a exaustiva jornada hospitalar, ela tomava café no antigo pub, a música calma vinda dos fundos. Procurou na bolsa seus cigarros e então percebeu um braço estendido, a chama do isqueiro iluminando seu rosto cansado na penumbra do lugar. Sobressalto: o rapaz sorriu. Ambos riram. Num clarão, ela se lembrou da cartomante. E soube: as cartas não mentem.

| Débora Böttcher |

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.