HIPERBREVES

CINZA…

Escrito por Mônica Bonfim
Desde que ele morreu ela via o mundo por uma muralha de tom cinza. Como se sua vida estivesse sob um abafador. No começo pensou até que a cidade estava mais suja e ficou chateada com isso. Depois percebeu que ela é que não conseguia mais ver o colorido das coisas e se conformou — de fato, achou até confortável. E viveu assim, na sua bolha cinza, até o dia que vinha pela calçada lendo um livro e viu, na esquina, um grupo de amigos. De imediato, puxou para perto o abafador cinza porque a perspectiva de mais um abraço de pêsames afundou seu coração. Mas — eram amigos queridos, ex-companheiros de trabalho, estiveram no enterro — armou seu sorriso triste e os encontrou. Até que o mais sério, o diretor mais caxias, o mais distante, ao abraçá-la, sussurrou uma cantada picante em seu ouvido. O inesperado, o susto, a fez gargalhar… e a bolha cinza estourou. A gargalhada trouxe, de volta, as cores para o mundo. Apesar da dor, a vida havia voltado. | Mônica Bonfim |
Últimos posts por Mônica Bonfim (exibir todos)

Mônica Bonfim

Advogada por vocação, cronista de quando em vez por devoção, um ser humano em aprendizado constante por definição, guardiã do cão Yuki dos Açaís - o bebê, vulgarmente conhecido por "Sua Excelência". Vive em Manaus.