HIPERBREVES

DESAMPARO

Órfãs de pais, Ana, Clara e Beatriz viviam com a avó, Alice, que na manhã seguinte ao Natal foi encontrada sem vida. Nos dias que se seguiram ao funeral, a casa adormeceu em absoluto silêncio. Quando o novo ano chegou, encontrou Ana vestindo as roupas de Alice, Clara trajando-se como uma meretriz, e Beatriz enclausurada em casa, sempre seminua, na cama da avó. Ana passou a cuidar das finanças, mas nenhuma delas atendia ao telefone. Falavam pouco: pairavam intimidades entre si e segredos entre as três. Às vezes, faziam as refeições juntas. Numa noite, encontraram o bilhete de Beatriz sobre a mesa da cozinha: partira com a banda de um antigo amigo. Choraram abraçadas. Mas só alguns meses depois o caos deu trégua: Clara e Ana arrancaram o papel de parede da sala e rearranjaram os móveis do aposento. Abriram todas as janelas e portas, finalmente deixando o sol entrar, enquanto ouviam a música composta por Beatriz, enviada por e-mail, que falava de recomeços.
| Débora Böttcher | 

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.