PODTEXTO

DEZEMBRO

candlesO último mês do ano abriu as portas com vestígios da impactante queda do avião na Colômbia, dizimando quase todo um time de Futebol e vários jornalistas brasileiros, além de dezenas de vítimas de outras nacionalidades.

O mundo se viu tomado pela sensação – que sempre aflora nesses momentos – de que não temos controle sobre nada. É a vida se comportando simplesmente como ela é: um sopro.

Temos consciência disso? Temos. Mas ninguém pensa sobre a morte, apesar de saber que ela é nossa única certeza. E sendo Dezembro aquele período marcado por considerações pessoais, quando a gente faz um balanço sobre tudo que pontuou o ano, a reflexão se agigantou. A comoção coletiva se mistura ao medo individual e a gente se pega perguntando intimamente: “E se fosse eu? Estou pronta (o) para deixar esse plano que habito?”

Mas, sendo esse só um pensamento furtivo e secreto, a gente segue, entre afazeres e programações, lembrando que Dezembro sempre se veste de uma certa tendência à harmonia, essa tentativa maximizada de fazer da paz o lema que nos rege, e é preciso elevar o astral.

Ainda assim, muitas pessoas se entristecem nessa época – independente do cenário.  O ano para quase todos nós foi difícil quando consideramos a crise do País, e a natureza humana está sempre perdendo-se em lembranças, exaltando mais erros que acertos, enumerando as frustrações, gerando aflição e pesar.

Nativity_treeMas dá – ô, se dá! -, mesmo com tanta angústia espalhada nesse momento e ainda que não dê pra conter a lágrima ante o sofrimento alheio, pra gente inverter essa inclinação, encher os olhos só com os sucessos, o que deu certo, as metas que se cumpriu, as boas amizades que se angariou e tudo aquilo que se alcançou, e deixar pra lá – sim, deixar pra lá – o que não deu para realizar. Comemorar as vitórias e conquistas ao invés de chorar os tombos e baques; celebrar os ganhos apesar das perdas.

E na noite mais iluminada do ano, reunir-se – com a família, os amigos, aqueles que você ama e estão por perto – e trocar mimos, abraços, fartar-se de alegrias – e guloseimas, que ninguém é de ferro (xô, dieta!) 😉

Levante sua taça — de vinho, refrigerante, água ou champanhe —, para festejar encontros, celebrar junto aos que estão presentes, contentar-se com o possível. Centralize a atenção nas pequenas coisas simples da vida, no riso e no sorriso – e mais ainda: no fazer rir e sorrir. Desarme-se e emocione-se — de gozo, euforia, saudade, amor – e  tente, a todo custo, dispensar a dor.

E na noite dourada transborde leveza: que o Natal, apesar das ausências, seja uma noite feliz, de paz e luz! Para você e os seus… Para todos.

Feliz Natal! 😉


Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.