HIPERBREVES

Sempre ouvia, quase em tom de ameaça, que um dia, quando estivesse em perigo ou à beira da morte, ia clamar por ajuda e salvação. E ela, que desde a adolescência havia perdido o elo com qualquer crença, sempre se espantou com aqueles que rezavam para o Futebol, para um ente querido em fase terminal, para o filho acidentado, pela busca por um emprego, até para encontrar ou conservar um amor – que fosse bom e eterno, obviamente. Observava sem compreender o que esperavam que lhes viesse dos céus aqueles que se ajoelhavam em contrição e promessas, em dedicação quase absurda ao que, desde que o raciocínio lhe caíra, ela entendeu tão sem sentido. E foi naquela madrugada, quando acordou com o peito com uma dor lancinante, enjoada e sem poder respirar, que, despedindo-se da vida, se deu conta de que sua falta de fé era ainda mais profunda do que imaginava…
| Débora Böttcher |
Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.