HIPERBREVES

MÉDICO

Vinte anos de experiência em Medicina habituado à temporalidade da vida e sempre que precisava transmitir um parecer definitivo anestesiava-se. Entre paredes brancas, os olhos azuis da moça à sua frente não se traíam: fixavam-se nos dele, verdes-quase-cinza-cansados. Ele olhou para os lados, chão, teto. Deu a notícia fatal: o pai. Os olhos dela mudaram de cor, mas não mostraram emoção; ela não esboçou desconforto e a única pista de que o havia entendido era a linha na testa franzida, que fazia parte daquele rosto falsamente juvenil: ela era pequena e suave. No segundo seguinte, como se saísse de um transe, ela sorriu, fez um movimento leve com a cabeça e se afastou. Ele continuou imóvel, observando-a caminhar, passos num tapete macio. Respirou ofegante, encostou-se à parede, fechou os olhos. Quando os abriu, ela já havia desaparecido de alcance. Mais tarde, ele imaginou uma lágrima quente e delicada roçando a face clara de um ser indefeso que ele nunca poderia definir. Nem esquecer. 
| Débora Böttcher |
Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.