HIPERBREVES

MOÇA

mocaA moça prende os cabelos pra cima, numa presilha grande e ocre, que já não aguenta mais o roçar dos fios sobre o ombro. Pensa em cortá-los como na infância – quando vaidade era extravagância dispensável. Anda a envelhecer, conclui… A moça acorda tarde. A madrugada transformou-se num dia sem fim e ela não consegue dormir. Ouve estrelas, namora o vento e na hora mais fria da manhã, põe-se na varanda para ver o negro do céu transformar-se em rosa e então ficar azul – só depois o coração fica em paz… Tem visto o tempo se misturar: passado, presente e futuro numa memória única. Sente saudade, medo, angústia, alegria. Vive entre o riso e a dor, tentando espiar o amanhã. A moça é pura contradição… Amante das cores, gosta do arco-íris, da palidez dos tons fracos, da força dos vermelhos, e desenha, com os vidros, no brilho dos cristais, o sonho de beleza de alguém. A moça tem o olhar furta-cor… {Que moça é você?}. | Débora Böttcher |
Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.