HIPERBREVES

O INVENTOR

Escrito por Carla Dias
A certeza de que nasceu para jamais se amiudar diante da vida é o que vem lhe regendo a existência. Menino tímido que só, sofreu o diabo para dividir com os poucos colegas as suas ideias, as que o tornariam um grande inventor no futuro. E o futuro chegou, mais rápido do que o desejado, que ser inventor tomava muito espaço na sua cachola. Ele inventava de tudo na cabeça, deixava suas fantásticas invenções prontinhas, mas a agenda andava cheia: reunião no trabalho, um tempinho para Deus e outro para os filmes em preto e branco, para o livro sobre caleidoscópios, o jantar com os pais, o beijo molhado da moça-vizinha. Distrair-se era fácil, ainda assim, ele inventava sem parar. Às vezes, ficava com dor de cabeça, de tanto que inventava. Até o dia em que, apreciando a fumaça saindo da xícara cheia de café fresco, ele inventou uma desculpa para deixar de ser inventor. Seus pensamentos se aquietaram e ele sorriu de aliviado, sentindo-se um inventor devidamente desinventado.

| Carla Dias |
Woman with a Head of Roses
© Salvador Dalí
Últimos posts por Carla Dias (exibir todos)

Carla Dias

Autora de "Estopim", "As Asas da Borboleta", "Jardim de Agnes", "Os Estranhos" e "Azul", além de participação com contos e crônicas em mais quatro coletâneas - entre elas, "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde ainda escreve às quartas-feiras. Trabalha como Produtora de Eventos junto à baterista Vera Figueiredo [IBVF Produções]. Vive em São Paulo.