HIPERBREVES

O JANTAR

Escrito por Yolanda S. Meana
Jantavam sempre em silencio. Às vezes, ela sorria com esse sorriso carinhoso que ainda hoje enchia de saudades o coração dele. Às vezes, era ele quem a contemplava com aquele olhar terno que nunca ninguém conseguiu imitar, e ela tremia. O silencio só era rompido, momentaneamente, quando o garçom abria a garrafa de champanhe e a colocava num balde de cristal com gelo. O buquê de rosas vermelhas, que dava um toque de cor à alvura da mesa, foi ideia dela. O anel de rubis, um detalhe dele. Ela percebeu como ele ficava elegante naquele smoking, e sorriu. Ele achou-a linda e sensual naquele decotado vestido de seda, e observo-a com olhar voraz. Fazia mais de vinte anos que estavam separados – foi num treze de setembro, depois de um jantar. Desde então, celebram essa data juntos e quietos. A cada ano aprimoram mais os detalhes da comemoração, do vestuário, dos presentes. E, verdade seja dita, o resto do ano eles vivem, única e exclusivamente, em função desse momento.
Últimos posts por Yolanda S. Meana (exibir todos)

Yolanda S. Meana

Jornalista e escritora.
Vive na Granja Viana.