HIPERBREVES

O MORTO

Escrito por Carla Dias
Imaginava-se livre, digno de descanso, assim que a morte o recolhesse. Nunca pensou que acabaria assim ou aqui. Quando vivo, torcia para que alguém lhe dissesse gentilezas, mas não. Era um ser de alma besuntada em asperezas, incapaz de reconhecê-las, mesmo que fossem gritadas na sua fuça. Era do bem, só não sabia reconhecer o bem quando a benfeitoria era para o outro. Engoliu vazios, coração no modo estraçalhado. Ainda assim, ganhou o título de homem mais capaz – e necessariamente frio – do escritório. Não ligou para isso, que jamais temeu ou teve apego pelo rótulo. Agora, aqui está: morto que só, desencarnado, com certeza, incumbido de fazer vigília em festas e almoços de família, de ruminar felicidade alheia. Não havia percebido como as pessoas fazem barulhos esquisitos ao gargalharem. E na condição de fantasma ou espírito necessitado de reajustes, morre de inveja da sinfonia criada pelas crianças correndo pela casa, o que, por um momento, faz com que ele se sinta vivo, como nunca.

| Carla Dias | 

© Rodrigo de Castro Scott
Últimos posts por Carla Dias (exibir todos)

Carla Dias

Autora de "Estopim", "As Asas da Borboleta", "Jardim de Agnes", "Os Estranhos" e "Azul", além de participação com contos e crônicas em mais quatro coletâneas - entre elas, "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde ainda escreve às quartas-feiras. Trabalha como Produtora de Eventos junto à baterista Vera Figueiredo [IBVF Produções]. Vive em São Paulo.