HIPERBREVES

PARIS

Desde que aprendeu a ler, aos cinco anos, enganava a mãe – que pensava que ela dormia, enquanto se embalava nos Contos de Fadas sob a lâmpada fraca do abajur. Quando estava com nove anos, a professora notou que comprimia os olhos para focar a lousa: decretaram-lhe a vista cansada. Aos quinze anos, usando lentes de contato, ninguém notava que os olhos azuis escondiam um defeito: seis graus de miopia. Depois de doutorar-se em Artes e viajar pelo mundo, aportou na França. Nos anos que se seguiram, com a impressão de que suas janelas para o mundo diminuíam, ela experimentou óculos de todas as cores, formatos e lentes – de grifes renomadas a outras nem tanto. Trinta anos e centenas de ilustrações premiadas depois, novas sombras lhe turvavam a percepção, e os traços ganharam contornos imprecisos que angariavam ainda mais admiradores. Mas só ela sabia que desenhava retratos sob as luzes de Paris, enquanto perdia a visão.

| Débora Böttcher |

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.