HIPERBREVES

PLATÔNICO

Escrito por Carla Dias
Já lhe disseram que o meio-termo é um dedilhar o amansamento. E mesmo ele não sendo um às na arte de equilibrar isso e aquilo, acredita que é dos menos descompensados, até porque, neste exato momento, ele se equilibra nas pontas dos pés, só para assistir, lá naquele adiante, à cena recorrente: ela caminha pela plataforma, entre tantas pessoas, uma estranha que invadiu seu olhar faz alguns meses. E desde o dia em que, sem querer, sentaram-se no mesmo banco do trem, e ela tirou de sua bolsa um exemplar do livro preferido dele, o moço sente uma vontade imensa de dizer a ela o mesmo que o personagem do livro diz a quem sequestrou o apreço dele: se não puder me amar, permita-me ao menos amá-la explicitamente. Só que ele é meio zonzo com essa coisa de amor, de explícito seus sentimentos têm nada. Ele segue assim, carregando a moça no olhar, preenchendo a distância com o desejo de que, dia desses, ela olhe para ele de volta e sorria, convidando o amor dele para se achegar à companhia dela. 

| Carla Dias |

© Juja Kehl
Últimos posts por Carla Dias (exibir todos)

Carla Dias

Autora de "Estopim", "As Asas da Borboleta", "Jardim de Agnes", "Os Estranhos" e "Azul", além de participação com contos e crônicas em mais quatro coletâneas - entre elas, "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde ainda escreve às quartas-feiras. Trabalha como Produtora de Eventos junto à baterista Vera Figueiredo [IBVF Produções]. Vive em São Paulo.