HIPERBREVES

PORTA

Escrito por Fausto Rêgo
Girou a maçaneta e abriu a primeira porta, fechando-a em seguida, delicadamente. A segunda lhe exigiu a chave e retribuiu com um ranger suave, discreto, que em nada anteciparia o vigor da terceira, seu peso e sua firmeza quase intransponíveis. Arrombou-a. A quarta foi como brincar de ser criança, a porta giratória a convidar à dança e à vertigem. Seguiu adiante e não percebeu o portal de vidro, que se partiu em pedaços. Curou as feridas rumo à sexta porta, trancada a sete chaves. Levou anos para descobrir os segredos. A última lhe foi aberta misteriosamente. Ao atravessá-la, não havia ninguém.
| Fausto Rêgo | 

Últimos posts por Fausto Rêgo (exibir todos)

Fausto Rêgo

Jornalista. Autor, em parceria, de uma filha de 16 anos que é sua única obra publicada. As demais estão por aí, escondidas em blogs como o "Sobretudo". Vive no Rio de Janeiro.