HIPERBREVES

REI

Escrito por Andréa Bianchi
Nascido num tempo em que os reis não envelheciam, não conseguia se encontrar na paz. Enquanto todos pareciam felizes com os últimos anos, ele arrastava chinelos pelo palácio. Os filhos cuidavam de aprender a ser nobres, a esposa cuidava de ser a rainha e dar ordens aos empregados. E o rei? Que propósito teria afinal sua vida se ele morresse ali naquela cama enorme como um velho comum? Ao contrário do que todo mundo dizia, a guerra daquela vez não começaria para buscar a paz, nem a independência. Começaria pelo gosto da guerra, porque o rei de algum lugar não apredera nada mais do que lutar, não era por ouro, nem por um Deus, tão somente era um hábito enraizado numa alma velha e solitária. Geralmente os gestos nobres eram assim mesmo: cheios de futilidade.

| Andrea Bianchi |
Últimos posts por Andréa Bianchi (exibir todos)

Andréa Bianchi

Não estou pronta ainda, todos os dias alguma coisa muda em mim... Vivo no Rio de Janeiro.