HIPERBREVES

SEPARAÇÃO

No horário marcado ela estava lá. Sentou-se no banco de madeira postado em frente à imensa porta no amplo corredor. Ele chegou em seguida e sentou-se no banco ao lado. Cruzaram o olhar rapidamente, num cumprimento mudo. Ela pensou em todos os anos e sonhos que viveram juntos. Ele pensava no que fazer com o futuro. Ela recordava os dias de paixão. Ele lembrou da primeira noite de sexo. Ela reviveu as madrugadas insones. Ele pensou em todas as brigas sem sentido. Ela cogitou reconsiderar. Ele visualizou a liberdade. No vai e vem dos pensamentos que desenhavam duas vidas na memória do tempo, o romance que pretendia ser de mão dupla se perdia na conversão errada, nas distâncias indiferentes, nas ultrapassagens arriscadas, nas perigosas contramãos. Quando abriram a porta, susto e tristeza a tomaram: seu corpo estremeceu. Diante dos presentes, depois de lidas as condições, ela conferiu as horas no antigo relógio de parede e assinou o documento: o casamento estava desfeito.

| Débora Böttcher |

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.