HIPERBREVES

TATUAGEM

Naquele dia em que eles falaram sobre o divórcio, imperou a calma, a camaradagem e o bom senso: sete anos depois de uma relação feliz, eles seguiriam caminhos paralelos. Ficou combinado que ele ficaria com o apartamento e ela com a casa de praia; cada um com seu salário e carro; ela falaria com a advogada e se mudaria na próxima semana; enquanto isso, dormiria no quarto de hóspedes. Três dias depois, quando ela chegou com a papelada, ele anunciou que não queria mais separar-se. Discutiram. Pela manhã, ele preparou o café e a mesa com frutas e flores; ela saiu apressada e sem fome. À noite, sentaram-se para nova conversa. Foi de repente que ela sentiu seu corpo tombar no sofá, depois no chão, a cabeça batendo com força, a boca sangrar, tudo escurecer. A história de amor e paixão acabava assim – no hospital, na prisão, no susto incrédulo do medo. E na dor silenciosa que se tatuou na sua pele.

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.