HIPERBREVES

TERAPIA

Chega para a sessão única avisando que está ali só por causa do marido, que se suicidou há três meses e era o paciente, mas não quer falar dele. Diz que veio por insistência dos sogros, pais e amigos, que dizem que ela não sofreu o bastante. Qual a medida da dor? Conta que não parou de trabalhar nenhum dia – é advogada e agora tem as gêmeas pra criar sozinha! -, e que a rotina consiste em acordar, tomar banho, chamar as meninas, tomar café, deixá-las na escola e rumar para o escritório. Às cinco da tarde as pega de volta, jantam, leem, estudam, veem TV, brincam no micro, distraem-se. Não falam do pai. Duas vezes por semana dá aulas na Faculdade. Foi nomeada Síndica, o que também lhe toma tempo. Nos fins de semana visitam os avós, vão ao cinema, passeiam. Afinal, não está enfrentando tudo muito bem? O terapeuta lhe devolve a pergunta. Ela o olha com um misto de raiva e redenção. E antes de bater a porta atrás de si, por cima do ombro informa que virá na próxima sexta, no mesmo horário.

| Débora Böttcher |
Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.