HIPERBREVES

TRAGÉDIA

Depois que ela teve certeza que ele tinha uma amante, sentiu instalar no peito uma fenda que lhe tirava o ar cada vez que ele chegava – e partia. E ela não soube o que fazer com tanta dor – que a jogava sobre o tapete do quarto, encolhida e muda, durante horas depois que as crianças saíam pra escola. O segredo se escondia em todos os cantos da casa, nos silêncios, nos toques e beijos breves, nas risadas: tudo parecia como sempre, mas ambos sabiam que um fantasma sentava-se todos os dias num lugar à mesa, espreitava pelas cortinas, esperava pelo impasse – dela, que mesmo sabendo permanecia à margem, e dele, que procurava o momento menos fatal para jogar-se ao outro lado do rio. Os meses se arrastaram em angústias veladas, noites mal dormidas, inquietação que parecia nunca ter fim. Até que, naquele dia, ele não voltou para casa. Quando o telefone tocou, no meio da noite, susto e contradição a tomaram: a Morte, mansa e suave, escrevia a tragédia final num ato único e sem volta.

| Débora Böttcher |

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Administra esse mini portal - que é uma junção dos sites Babel Cultural, Estilo 40, Hiperbreves e Papo de Letras.